Seguidores

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O Holocausto Cigano


O mundo se esqueceu do holocausto do povo invisível?

Homens e mulheres sacrificados numa época terrível.
O inocente que gritava; o pânico do idoso que clamava!
Lamentos em vão; eram arrastados para a câmera de gás.
Os gritos pediam por piedade; mas o mal trucidava a paz.
Como sentença era proibido ter o sangue cigano na veia!
Alguns deles enfrentavam com destemor a maldade alheia.
Uma coragem sem limites; não aceitavam o inicio da morte.
Sabiam que no momento não adiantava acreditar na sorte.
Torturas hediondas desenhavam aquele cenário desumano
O Slogan cruel dizia que depois dos judeus seriam os ciganos!


Como olvidar esta exterminação que até hoje fere o coração?
Irmãos em paz, que só querem caminhar; o sol indica a direção.
Grandes espíritos de luta que ainda enfrentam o preconceito! 
A melancolia enfraquece quando o estímulo é o amor no peito
Não há como esquecer toda morte que provocou enorme dano
O pranto vai se abrandando; Santa Sara é a visão do Povo Cigano!

Janete Sales Dany

Poesia Registrada na Biblioteca Nacional

Licença Creative Commons
O trabalho O Holocausto Cigano de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Poema baseado no texto:
 Myriam Novitch, diretora do Museu dos Combatentes dos Guetos, fundado no Kibutz Lohamel Haghetaot por um grupo de sobreviventes do Gueto de Varsóvia.
 http://www.kumpaniaromai.com.br/textos/ciganoseoterrornazista.htm

 Utilizei uma imagem do Holocausto que está em domínio público:
 http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Child_survivors_of_Auschwitz.jpeg


Nenhum comentário:

Postar um comentário