Seguidores

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Sou cigano e jamais serei escravo de um império!




Eu louvo o dia
O sol é o meu guia
Eu vivo caminhando
E a fé está no comando
Eu exalto toda a liberdade
E todo o riso que me invade
Ás vezes a dor quer me peitar
Prefiro dançar em vez de chorar
Não consigo me fincar neste chão
Sempre mudo o tom da minha canção
A glória está no sangue que corre na veia
Meus pés são firmes e não cedem na areia
No meu céu sempre há o lampejo da estrela
É Santa Sara kali me guiando e eu posso vê-la
Abro os braços e sinto a natureza me abraçando
Dádiva divina que ganho quando estou caminhando
Não tenho certeza em qual terra será o meu descanso
Sempre presencio milagres na estrada em que eu avanço
Não sou do mundo que se imagina senhor do que é material
Quando a terra se fez terra, jamais disse que teria dono, afinal!
Dizem que atrás do olhar de cada cigano existem muitos mistérios
Quero viver a vida em plenitude e jamais ser escravo de um império!

Janete Sales Dany

Todos os direitos reservados
Poesia registrada na Biblioteca Nacional

Registro: 634722


Licença Creative Commons
O trabalho Sou cigano e jamais serei escravo de um império! de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.



Clique na imagem e veja:
SOU CIGANO E JAMAIS SEREI ESCRAVO DE UM IMPÉRIO!
Janete Sales Dany
Antologia
Fénix
LOGOS Nº 11
NOVEMBRO 2014
 

Salve Santa Sara Kali
Amém
Optchá arribá

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Nesta vida você é o ladrão da minha paz!

Você existe
Sim, você existe!
Sem você eu fico triste, triste!

Eu preciso te dizer...
Estou fazendo esta poesia para você
Meu medo é de que você talvez nem possa ler

O que há por detrás dos seus olhos?
Nem sei, só sei que te amo demais.
Nesta vida você é o ladrão da minha paz!

Eu sempre desenho o seu nome na linha do horizonte
Qual o caminho que vai ao seu encontro, qual a ponte?
De noite eu sonho com você e bebo a água da sua fonte

Um dia quem sabe eu vou te encontrar
  
O nosso nome na areia da praia eu irei desenhar
E então o nosso amor vai ser como a fúria das ondas do mar

Eu quero o morno da sua pele esquentando o meu frio
Eu quero a sua presença preenchendo o meu coração vazio
Quero sentir a minha terra seca 
se umedecendo com águas do seu rio!

Janete Sales Dany
Licença Creative Commons
O trabalho Nesta vida você é o ladrão da minha paz! de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A dor da saudade!



A saudade é o nosso intimo 
querendo voltar ao que não se pode mais
Aquela estrada percorrida não será a mesma jamais
Os passos que se direcionam à frente 
desenham um novo viver
E andamos a esmo sem saber 
se vamos sorrir ou sofrer
Não existe alguém que não irá sentir 
a dor da saudade
Ela vem de mansinho 
mostrando o passado e não tem piedade!

Janete Sales Dany

Todos os direitos reservados
Imagem e poesia de Janete Sales Dany
Licença Creative Commons
O trabalho A dor da saudade! de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Beleza Exterior versus Beleza Interior!



Perceba bem...
A beleza verdadeira não está
 em cada centímetro da nossa pele, ela está na alma!
Quanto mais bela a alma, mais brilho nos olhos!
Mais amor ao próximo...
Está no interior de quem a tem, 
mas é uma beleza que aflora de dentro para fora!
Nesta situação, não importa a aparência, 
pois o que existe por dentro acaba se revelando; 
sempre reluz, cativa e embeleza!

Já a beleza exterior jamais consegue enfeitar uma alma feia!

Portanto, tente ser bonito por fora;
mas jamais esqueça o que você é por dentro!
Lá está o que vai te acompanhar por toda a eternidade!

Janete Sales Dany
Licença Creative Commons
O trabalho Beleza Exterior versus Beleza Interior! de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Anjo da paz



Sonhei com uma rua iluminada
No meio dela havia um anjo lindo
De braços abertos e estava sorrindo

E ele veio em minha direção
Em uma das mãos, ofereceu um coração
 Não consegui disfarçar a minha emoção!

Ele me ensinou uma lição:
Que ele tem asas, mas prefere o chão!
Assim ele avança na terra; dizimando a solidão!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

A Liberdade de ser um cigano by Janete Sales Dany




Em cada manhã o sol desponta no horizonte do meu viver
Tenho caminhos ainda não descobertos que vou conhecer
De noite eu lavarei o meu corpo cansado nos rios da vida
Dormirei num sono calmo, pois sempre rezo e curo a ferida!

A lua será a lamparina que vai iluminar a minha escuridão
O canto do grilo é a canção e faz ritmo com o meu coração!
Pode surgir o frio de mansinho e ele não costuma me avisar
Sorrio e acendo a fogueira, pois sei que muitos irão dançar!