Seguidores

domingo, 27 de julho de 2014

Acima de nós reluz a verdade

 

Vejo luzes intensas que só querem me encantar...
De portes distintos; nem sabem do meu olhar!
Corpos celestes além deste horizonte alienado
Vou andando embaixo deste incrível elevado...

sexta-feira, 25 de julho de 2014

A cor da flor foi Deus quem mostrou...

Certa vez um cego fez vários questionamentos antes de dormir:
Como posso escrever sobre as estrelas se eu não posso vê-las?
Como posso escrever sobre a beleza da flor se eu não vejo a cor?
Como posso escrever sobre o mar se eu não o consigo enxergar?

Depois destas perguntas inquietantes dormiu num sono profundo...
E sonhou que voava pelo céu e assim acabou conhecendo o mundo
Conheceu uma terra diferente em que as estrelas brilhavam no olhar
O chão era um tapete de flores, e todas tinham a cor do azul do mar.

Era um sonho colorido, mas todo sonho uma hora tem que terminar!
Ele acordou assustado; viveu um sonho encantado e se pôs a chorar...
Escreveu sobre as estrelas que viu em um olhar; escreveu sobre o mar...
A cor da flor foi Deus quem mostrou; ela se sente, não precisa enxergar!


Janete Sales Dany

Licença Creative Commons
O trabalho A cor da flor foi Deus quem mostrou... de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Rezem... e acendam as velas!


Por que tanta morte meu Deus?
A maldade prevaleceu; o sol se escondeu e o céu escureceu!
Não é fácil reviver, mas não dá para esquecer o que aconteceu...
Martírio para os judeus, os eslavos e os que tinham deficiências mentais...
Desespero para os negros, ciganos e homossexuais... E de outros mais!
O olho do mal se sentia superior; abatia toda raça que elegia como inferior.

Muitos querem esquecer para sempre o terror do nazismo...
Não podemos olvidar a época em que a paz se perdeu no abismo
É preciso relembrar o ruído da tortura para que não volte a acontecer
Não existe no mundo um ser superior; o preconceito tem que morrer!


O Holocausto Cigano


O mundo se esqueceu do holocausto do povo invisível?

Homens e mulheres sacrificados numa época terrível.
O inocente que gritava; o pânico do idoso que clamava!
Lamentos em vão; eram arrastados para a câmera de gás.
Os gritos pediam por piedade; mas o mal trucidava a paz.
Como sentença era proibido ter o sangue cigano na veia!
Alguns deles enfrentavam com destemor a maldade alheia.
Uma coragem sem limites; não aceitavam o inicio da morte.
Sabiam que no momento não adiantava acreditar na sorte.
Torturas hediondas desenhavam aquele cenário desumano
O Slogan cruel dizia que depois dos judeus seriam os ciganos!


quarta-feira, 9 de julho de 2014

Para alguns, aplaudir é difícil e apontar o dedo é fácil!


Um homem construiu um castelo majestoso; 
repleto de brilho.
Ninguém viu...
Apesar do suor que escorreu do rosto dele...
Apesar do cansaço...
Apesar da vitória!

Certa vez, quis enfeitar o jardim do castelo com flores...
Só que as flores não vingaram...
Os que não o aplaudiram pela construção do castelo,
gargalharam...

Existem pessoas que são assim...
Nunca aplaudem ou poucas vezes aplaudem!
Mas basta um único deslize na vida de um vencedor...
Para elas se sentirem encorajadas a vaiar!

Janete Sales Dany
Licença Creative Commons
O trabalho Para alguns, aplaudir é difícil e apontar o dedo é fácil! de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.