Seguidores

terça-feira, 17 de março de 2015

Mãezinha só levou as flores...



Mãezinha estava tão doente
Olhar fundo, e dava tristeza na gente...
As mãos fraquinhas e nem conseguia comer
O rosto tão morto, visão que não vamos esquecer...

Mãezinha tão raquítica, pesar na imagem de amor...
Tantos remédios que em vão tentavam amenizar a dor
Parecia que a única solução seria expirar
Só de pensar a família lastimava num chorar

Mulher corajosa que trabalhou a vida inteira
Foi mãe, economista, lavadeira e enfermeira...
Todos estes atributos ela doou dentro do nosso lar
Conseguia tudo isto, pois sabia usar o verbo amar!

Um dia a igrejinha tocou o sino para a missa das 8 horas
Uma lágrima escorreu! Tão triste estava a senhora...
Queria ir rezar pela última vez; agradecer a vida que viveu!
Naquele momento penoso algo inusitado aconteceu...

O nosso lar anoiteceu; nosso arredor ficou sem luz...
Falamos para ela não se impressionar com aquela escuridão
Ela disse: Não está escuro, estou sentindo o abraço de Jesus.
Então, ela morreu sorrindo com uma das mãos no coração...

Um pesar nos abateu e a vila toda veio ver as nossas dores...
Nossa mãezinha que lutou tanto deixou tudo, e só levou as flores!
Se eu pudesse naquele momento decretaria o fim da morte...
Seria diferente, jamais deixaria a realidade roubar o meu forte!

E até hoje a vizinhança afirma que foi Ele que a visitou
Na hora pesarosa o pranto dela Ele enxugou
No enterro a mão delicada da mãezinha ganhou uma cruz
O rosto sereno, ainda estaria abraçada com Jesus?

Janete Sales Dany

Licença Creative Commons
O trabalho Mãezinha só levou as flores... de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Esta poesia não é um caso verídico,
só uma inspiração de poeta,
portanto não aconteceu...
Poeta é assim...
Escreve o que não viveu!
Janete Sales Dany

Nenhum comentário:

Postar um comentário