Seguidores

domingo, 6 de setembro de 2015

Soneto Guerra - Decassílabo Heroico




Era para chorar e eu não chorei
Amor não ligue para minha dor
Arrancaram as flores que plantei
No meu jardim não colho alguma flor

Derrubaram o céu que namorei
Lamento, no elevado não tem cor!
Dentro de mim há mar que jamais dei...
Pranto que quer vencer o vencedor!



Amor eu vejo o mundo se acabando
Existe o rastro da morte e até quando?
O mal devora e sobe num altar

Olhe o vulto no céu, risco da morte!
Procurem um abrigo e tenham sorte
Eles estão matando em vez de amar


Janete Sales Dany


06/09/2015

Brasil São Paulo

Poema@Protegido por lei

T5373226
Licença Creative Commons
O trabalho Soneto Guerra de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative

Menino Aylan, imagem feita por Nilüfer.


"Grito de um corpo silencioso"
Assim retratou a autora da foto
do menino sírio
Foto que atingiu em cheio as redes sociais...
Dura realidade, nosso tempo tendo que ver 
a inocência sofrendo, fugindo da dor e...
Encontrando A MORTE!

E/ra/pa/ra /cho/rar /e eu /não/ cho/rei
A/mor  /não/ li/gue /pa/ra/ min/ha/ dor
A/rran/ca/ram/as /flo/res/ que/ plan/tei
No/ meu/ jar/dim  /não/co/lho al/gu/ma/ flor


Neste soneto a acentuação tônica está na sexta e décima
silaba. Quatro estrofes, sendo dois quartetos, 
seguidos de dois tercetos, Silabas ABAB - AAB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário