Seguidores

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Mar de Candura - Soneto Decassílabo Heroico


Nunca disse algo para me absolver
Sempre fui lago calmo de doçura
Sei do insulto, mas não vou devolver... 
Sou paz, eu sou dilúvio de ternura!

Vozes de ódio só fazem ofender
Da minha boca flui mar de candura
O pensamento só quer florescer
Sei que fuxico é falta de bravura

Conversas doces são mimos de flores
Em vez de desafeto oferto amores
Admito que é difícil ser assim 

Mas se revido arraso todo amor
Emudeço, não quero causar dor!
Entrego a Deus o que falam de mim

Janete Sales Dany
Poema@protegido por lei
T5756011
09/09/2016
São Paulo - Brasil

Licença Creative Commons

O trabalho Mar de Candura - Soneto Decassílabo Heroico de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.










Você também pode gostar:
CARTA DE UMA MÃE NO ASILO 
POESIA MAIS POPULAR NO BLOG

Nenhum comentário:

Postar um comentário