Seguidores

sexta-feira, 22 de março de 2019

Soneto Paraíso Azul - San Andrés



Azul profundo e nasce uma poesia 
Ouço a canção do mar, é como prece 
O sol derrama luz na fantasia 
Logo aquece este amor que em mim floresce 

A gaivota enche o céu de uma alegria... 
Que minha alma se atenta e reconhece! 
Deus vive em cada ser, farol que guia! 
Sendo assim a esperança prevalece... 

A natureza grita expondo a fonte 
E meus olhos se perdem no horizonte 
Brilham ao contemplar a eternidade 

Dilúvio que chorei, fiz dele um canto! 
É tanto azul que esqueço todo o pranto 
E velejo no mar da liberdade

Janete Sales Dany


Exemplo:Métrica de cada verso 
deste Soneto Decassílabo Heroico
Demonstrando a escansão, 
o passo a passo, da divisão silábica... 

Regras:Dez sílabas poéticas, 
em cada verso apresentado...
Quatro estrofes, duas de quatro versos
e mais duas de três versos
Sempre a sílaba tônica  está
na sexta e décima sílaba de cada verso


Uma homenagem que fiz para:

Ilha de San Andrés que fica na Colômbia

Relato de pessoas que conheço

E tiveram a alegria de ir para esta ilha:

Lugar paradisíaco, praias maravilhosas!

Mágico. Muito azul... Sete cores.

Encanta, pelas várias tonalidades.

Povo Acolhedor. Clima excelente.


terça-feira, 12 de março de 2019

Mio Cigano Vacite - Soneto Alexandrino



A música é sem fim, traz o som de um violino
A terra agora chora... O pranto da saudade
 Ouçam Djelem Djelem! Cigano insiste no hino
No semblante um sorriso, e amava a liberdade

Exemplo a ser seguido, o espelho é cristalino!
Salve o Povo de Luz... Eterna claridade!
Ouçam Djelem Djelem! Cigano insiste no hino
 A voz sempre clamou! Exaltava a humildade...

O céu está em festa!  Um violino infinito!
Líder eternamente, a terra agora chora...
Nele sempre a alegria e pregava num grito...

Respeito à diferença! A paz é nossa glória
O que ilumina, habita, e nunca irá embora
Ouçam Djelem Djelem! Eterno nesta história

Janete Sales Dany

A/ mú/si/ca é /sem/ FIM,/
traz /o /som/ de um/ vio/LI/no
A/ ter/ra a/go/ra/ CHO/ra... 
O /pran/to/ da/ sau/DA/de
Ou/çam/ Dje/lem/ Dje/LEM!
Ci/ga/no in/sis/te/ no HI/no
No/ sem/blan/te um/ sor/RI/so, 
e a/ma/va a/ li/ber/DA/de

Todas as terminações em
paroxítonas , quatorze versos
Exemplo da Escansão ( Métrica)
Acento Tônico na sexta 
e décima segunda sílaba


Homenagem ao violinista
Presidente da União Cigana
do Brasil:Cigano Mio Vacite
Principal representante 
Brasileiro dos Ciganos
Cigano de etnia Rom
31/01/1941 + 11/03/2019

É com imenso pesar que publico esta notícia
Mio Vacite: Grande líder da comunidade Cigana
faleceu na manhã de 11 de março de 2019
O sepultamento foi no dia 12 de março de 2019
Cemitério São João Batista - Botafogo/RJ
Meus sentimentos á Família e ao Povo Cigano


Violinista e presidente da União Cigana Do Brasil, também foi o fundador do grupo MIO VACITE E O ENCANTO CIGANO, o qual fora fundado em 1990. Mio Vacite Foi indicado pela INTERNATIONAL FEDERATION ROMA INC., Que tem estatuto consultivo na ONU, representante da cultura cigana do Brasil. Recebeu vários títulos e homenagens: Título de cidadão benemérito de Niterói, Moção de Aplausos, além de carta do Ex – ministro da justiça Dr. Nelson Jobim, por ocasião do I Prêmio de Direitos Humanos.Pertenceu a Sinfônica Nacional e é Titular do grupo Violinos do Rio, tocou em Brasília para os Presidentes Sarney e Geisel. É membro consultivo da Ordem dos Músicos do Brasil, e conselheiros do Clube do Museu dos Poetas e Compositores do Brasil.
Link da Biografia :

A nossa bandeira é a única 
que não está manchada 
com o sangue dos inocentes!
MIO VACITE
Licença Creative Commons
O trabalho Mio Cigano Vacite - Soneto Alexandrino de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Soneto Ondas de Amor - Decassilabo Heroico


Abro as mãos e revelo o meu amor
Protegido e querendo se ostentar
Dentro de mim fulmina este primor
Pressinto que está quase a arrebentar

É como sol que inflama sem temor
Reside em mim e vive a atormentar
Como o pranto do mar; ondas de amor!
Na porta do olhar quase a se soltar

Dentro de mim reluz tanta emoção
E padece o meu pobre coração
Parece que contém todo o universo

Dentro de mim há tanto a oferecer
Que meu âmago fica a estremecer
Se pudesse estrondava neste verso

Janete Sales Dany

Registrado e imortalizado na 
Biblioteca Nacional 
do Rio de Janeiro no Livro:
Soneto Manto Santo e outras
Página: 04  Registro 742475
Abro as mãos e reVElo o meu aMOR
Protegido e queRENdo se ostenTAR
Dentro de mim fulMIna este priMOR
Pressinto que está QUAse a arrebenTAR

É como sol que inFLAma sem teMOR
Reside em mim e VIve a atormenTAR
Como o pranto do MAR; ondas de aMOR!
Na porta do olhar QUAse a se solTAR

Dentro de mim reLUZ tanta emoÇÃO
E padece o meu PObre coraÇÃO
Parece que conTÉM todo o uniVERso

Dentro de mim há TANto a ofereCER
Que meu âmago FIca a estremeCER
Se pudesse estronDAva neste VERso

Janete Sales Dany
Escansão dos versos de um 
Soneto Decassílabo Heroico
Sílabas Tônicas na Sexta
e Décima Sílaba
Quatorze versos,
rimas entrelaçadas

Licença Creative Commons
O trabalho Soneto Ondas de Amor de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


“Ainda que eu falasse 
a língua dos homens, 
e falasse a língua dos anjos, 
sem amor, eu nada seria.” 
[1 Coríntios 13] Bíblia

“Há uma só religião, 
a religião do amor. 
Há uma só linguagem, 
a linguagem do coração.
Há uma só raça, 
a raça da humanidade.
Há um só Deus, 
e Ele é onipresente.”
Sathya Sai Baba

Soneto Alexandrino Abismo de Lamento


Observe o meu olhar e terá a verdade
Trago um cansaço extremo, e o dano me procura
Pisei num chão estranho e perdi a liberdade
Socorro, estou com medo e só quero uma cura

E não há sorte alguma, adeus felicidade
Não entre neste mundo, um trilho de loucura!
Vejo o que ninguém vê; mistério na cidade...
Entrei querendo amor, um pouco de doçura

Queria uma presença e pensei que era a chance
Não entre neste mundo, é a sombra da morte!
Um veneno letal, máscara de romance...

Oro na luz da rua e quero um livramento
Observe o meu olhar e talvez me suporte
Nem sempre fui assim, abismo de lamento...

Janete Sales Dany

Soneto@Registrado e imortalizado
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
No livro: Soneto esperança e outras
Página: 05  Registro: 793.776


Na imagem o exemplo da métrica poética
Escansão, utilizada no soneto alexandrino:

Oro na luz da rua e quero um livramento
O/ro/ na/luz /da/ RU/a e /que/ro um/ li/vra/MEN/to
Observe o meu olhar e talvez me suporte
Ob/ser/ve o/meu/o/LHAR/e/tal/vez/me/su/POR/te
Nem sempre fui assim, abismo de lamento...
Nem/sem/pre/fui/a/SSIM,/a/bis/mo/de/la/MEN/to...

Acentuação tônica na sexta e décima sílaba
Dois hemistíquios, poema com catorze versos.

Terminar todos os versos com palavras paroxítonas 
(chamadas de palavras graves por Bilac e Passos).