Seguidores

sexta-feira, 22 de março de 2019

Soneto Paraíso Azul - San Andrés



Azul profundo e nasce uma poesia 
Ouço a canção do mar, é como prece 
O sol derrama luz na fantasia 
Logo aquece este amor que em mim floresce 

A gaivota enche o céu de uma alegria... 
Que minha alma se atenta e reconhece! 
Deus vive em cada ser, farol que guia! 
Sendo assim a esperança prevalece... 

A natureza grita expondo a fonte 
E meus olhos se perdem no horizonte 
Brilham ao contemplar a eternidade 

Dilúvio que chorei, fiz dele um canto! 
É tanto azul que esqueço todo o pranto 
E velejo no mar da liberdade

Janete Sales Dany
Registrado e imortalizado na Biblioteca Nacional
no livro: Soneto Império do Tempo
Pagina: 06


Exemplo:Métrica de cada verso 
deste Soneto Decassílabo Heroico
Demonstrando a escansão, 
o passo a passo, da divisão silábica... 

Regras:Dez sílabas poéticas, 
em cada verso apresentado...
Quatro estrofes, duas de quatro versos
e mais duas de três versos
Sempre a sílaba tônica  está
na sexta e décima sílaba de cada verso


Uma homenagem que fiz para:

Ilha de San Andrés que fica na Colômbia

Relato de pessoas que conheço

E tiveram a alegria de ir para esta ilha:

Lugar paradisíaco, praias maravilhosas!

Mágico. Muito azul... Sete cores.

Encanta, pelas várias tonalidades.

Povo Acolhedor. Clima excelente.


terça-feira, 12 de março de 2019

Mio Cigano Vacite - Soneto Alexandrino



A música é sem fim, traz o som de um violino
A terra agora chora... O pranto da saudade
 Ouçam Djelem Djelem! Cigano insiste no hino
No semblante um sorriso, e amava a liberdade

Exemplo a ser seguido, o espelho é cristalino!
Salve o Povo de Luz... Eterna claridade!
Ouçam Djelem Djelem! Cigano insiste no hino
 A voz sempre clamou! Exaltava a humildade...

O céu está em festa!  Um violino infinito!
Líder eternamente, a terra agora chora...
Nele sempre a alegria e pregava num grito...

Respeito à diferença! A paz é nossa glória
O que ilumina, habita, e nunca irá embora
Ouçam Djelem Djelem! Eterno nesta história

Janete Sales Dany

A/ mú/si/ca é /sem/ FIM,/
traz /o /som/ de um/ vio/LI/no
A/ ter/ra a/go/ra/ CHO/ra... 
O /pran/to/ da/ sau/DA/de
Ou/çam/ Dje/lem/ Dje/LEM!
Ci/ga/no in/sis/te/ no HI/no
No/ sem/blan/te um/ sor/RI/so, 
e a/ma/va a/ li/ber/DA/de

Todas as terminações em
paroxítonas , quatorze versos
Exemplo da Escansão ( Métrica)
Acento Tônico na sexta 
e décima segunda sílaba


Homenagem ao violinista
Presidente da União Cigana
do Brasil:Cigano Mio Vacite