Seguidores

domingo, 29 de abril de 2018

Soneto Lobo do Gelo - Dodecassílabo

Eu sou lobo do gelo e tenho o olhar perdido 
O medo me fez forte, o mal sempre aparece 
Eu me sinto sozinho e ás vezes esquecido 
Minha alma está atenta e sobrevive em prece 

Vejo a morte por perto, e serei o escolhido? 
Eu sou lobo do gelo, e que nunca se esquece... 
Que viu a dor dos meus, estou estarrecido 
Eu sinto que sou caça e o meu ser se enfurece 

E em cima da montanha, eu protejo um portão! 
Sempre escondo o meu pranto e afogo o coração 
Dói tanto o meu passado e não posso esquecer 

Eu sou lobo do gelo e estou muito violento 
Avisto o azar dos meus, episódio sangrento... 
Minha alma em prontidão... Não sabe adormecer!

Janete Sales Dany
Soneto Registrado e imortalizado
na Biblioteca Nacional do Rio de janeiro
No Livro Soneto Lobo do Gelo e Outras
Página 13

SEPARAÇÃO DE SÍLABAS POÉTICAS
Eu /sou/ lo/bo/ do/ GE/lo e/ ten/ho o o/lhar /per/DI/do 
O medo me fez forte, o mal sempre aparece 
O /me/do/ me/ fez/ FOR/te, o/ mal /sem/pre a/pa/RE/ce 
Eu me sinto sozinho e ás vezes esquecido 
Eu/ me/ sin/to/ so/ZIN/ho e ás/ vê/zes/ es/que/CI/do 
Minha alma está atenta e sobrevive em prece 
Min/ha al/ma es/tá/ a/TEN/ta e /so/bre/vi/ve em/ PRE/ce 

Vejo a morte por perto, e serei o escolhido? 
Ve/jo a/ mor/te/ por/ PER/to, e/ se/rei/ o es/co/LHI/do? 
Eu sou lobo do gelo, e que nunca se esquece... 
Eu /sou/ lo/bo/ do/ GE/lo, e /que /nun/ca/ se es/QUE/ce... 
Que viu a dor dos meus, estou estarrecido 
Que/ viu/ a/ dor/ dos/ MEUS/, es/tou/ es/tar/re/CI/do 
Eu sinto que sou caça e o meu ser se enfurece 
Eu /sin/to/ que/ sou/ CA/ça e o/ meu /ser /se en/fu/RE/ce 

E em cima da montanha, eu protejo um portão! 
E em/ ci/ma /da/ mon/TAN/ha, eu/ pro/te/jo um/ por/TÃO! 
Sempre escondo o meu pranto e afogo o coração 
Sem/pre es/con/do o/ meu/ PRAN/to e a/fo/go o/ co/ra/ÇÃO 
Dói tanto o meu passado e não posso esquecer 
Dói/ tan/to o /meu/ pas/SA/do e/ não/ pos/so es/que/CER 

Eu sou lobo do gelo e estou muito violento 
Eu/ sou/ lo/bo /do /GE/lo e es/tou/ mui/to/ vio/LEN/to 
Avisto o azar dos meus, episódio sangrento... 
A/vis/to o a/zar/ dos/ MEUS/, e/pi/só/dio/ san/GREN/to... 
Minha alma em prontidão... Não sabe adormecer!
Min/ha al/ma em /pron/ti/DÃO.../ Não/ sa/be a/dor/me/CER!

Janete Sales Dany
Poema@todos os direitos reservados

Não é que eu tenha medo de morrer. 
É que eu não quero estar lá na hora 
que isso acontecer... Woody Allen.


Dentro de mim, existem dois lobos: 
O lobo do ódio e o lobo do amor.
Ambos disputam o poder sobre mim.
E quando me perguntam 
qual lobo é vencedor, respondo:
O que eu alimento.

Provérbio Indígena
Licença Creative Commons
O trabalho Soneto Lobo do Gelo de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.



Nenhum comentário:

Postar um comentário